quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Três cenas cotidianas

                                      





                              Um homem sentado à mesa.
                              Copo cheio, garrafa ao meio,
                              Cigarro à mão.
                              Fumaça que sobe,
                              Cachaça que desce...
                              Prazer, ou não?

                              Outro a espreitar na esquina
                              Revólver à cintura,
                              Sua mira é certeira,
                              Momento de pânico, dois braços que sobem...                       
                              La se foi uma carteira.

                              Um operário vendendo o suor
                              Na busca desesperada
                              Pelo mínimo salário.
                              Sofrimento, revolta e luta,
                              Mais um dia de labuta, com um patrão ordinário.

                              Três cenários diferentes,
                              Uma vida atribulada.
                              O vício, o crime e a miséria
                              Caminham na mesma estrada.


                                                    

                                                                              Jairo Cerqueira                                                                                 

6 comentários:

Srta_cruz disse...

e nós temos que achar normal.

Sérgio Araújo disse...

Então! E aí vem o político fdp e diz que ficou rico pelas graças de Deus e olha pra tudo isso de cima, de camarote.
Abraço.

Anônimo disse...

QUEM FOI QUE DISSE QUE NÃO É POSSÍVEL FAZER DENÚNCIA EM FORMA DE POESIA? POIS BEM, AQUI ESTÁ!
PARABÉNS

SEMPRE VOANDO...

W.

Lou Albergaria disse...

Adoro essa poesia pujante, cáustica, corrosiva...

Não suporto a poesia idealista que só canta as perípécias do amor. Também gosto dos poemas de amor, afinal de contas sou mulher, mas a poesia é algo maior, muito maior e, por isso apresenta inúmeras funções; e o protesto/manifesto sócio-econômico e social é sem dúvida uma de suas funções mais pertinentes.

E sua poesia se enquadra nesse contexto de DENÚNCIA SOCIAL. Lindos seus versos e linda sua missão de levar Luz à consciência (des)humana.

Parabéns!!!

Tenha um lindo final de semana!!!

Beijos iluminados em ti!!!

Marcio Nicolau disse...

caótico e absurdo cotidiano. Ótica realista, tua poesia até os surdos escutam.

Jairo Cerqueira disse...

Obrigado pela visita e pelo comentário, Marcio.
Um abraço.