terça-feira, 2 de março de 2010

Labutos





O coração do pescador toca um fado
Que em suas mãos calosas
Sincopa em samba de roda.
A fumaça rouca da sirene fabril
Põe seus proletários
Em liberdade provisória
Enquanto o barco deslizante
Vagueia nas águas flúvias
Em busca de providencias.

Jairo Cerqueira

3 comentários:

Gookz disse...

elas hão de vir, as providencias

Anônimo disse...

Blz. Quem venham.

Murilo Rafael disse...

Muito bonito, meu caro. "O pescador tem dois amores: um bem na terra e um bem no mar..."

Um abraço,
Murilo.