quinta-feira, 13 de maio de 2010

100 Ciência negra

escada da igreja
                                                                                                       por foto_fluidez
                Ninguém esperou que um dia
                         Evadíssemos do cativeiro
                           Gemidos viraram cantos
                              Recitou-se um som profundo...
                                Olha lá, a liberdade!
                                   Somos cidadãos do mundo!

                           Liberdade a passos lentos
                                         Invocamos nossa voz
                                          Vozes negras vêm do fundo
                                            Resistimos aos grilhões
                                               Esperamos muito mais...
                                                 Somos cidadãos do...
                                        Mundo?
                        Jairo Cerqueira


                                                                 

12 comentários:

Ricardo Fabião disse...

Olha,
a luta por um lugar ao sol é constante, provavelmente tenhamos que vencer um leão por dia...
Mas reconheço: avançou-se muito nesse sentido.

Isso não quer dizer que a vida para os afro-descendentes seja um mar-de-rosas.

Decididamente, liberdade é um rio que não passa em nossa cidade.

Boa reflexão.

Abraço.
Ricardo.

Gookz disse...

será mesmo?
difícil acreditar...
e acredite que quando digo, não estou sendo pessimista...

Bípede Falante disse...

Neste mundo feroz, lamentavelmente, pouca gente é cidadã.

Gerana Damulakis disse...

Bravo! Muito bem realizado.

Jairo Cerqueira disse...

Ricardo,meu velho, os avanços aparecem mas, às vezes tenho a sensação de que em alguns aspectos, só servem para reformar esculturas velhas (e não, velhas esculturas). Leis, emendas, clamores, etc, sem aplicabilidade é o mesmo que esperar sucesso de lenhadores no deserto de Saara.
Um abraço, amigo.

Jairo Cerqueira disse...

Gookz e Bípede:
A luta continua. Somos senhores do que pensamos e escravos do que falamos. Alguns, ainda não conseguiram nem chegar a esse estágio reduzido.
Vlw!

Jairo Cerqueira disse...

Gerana, feliz pela visita. Apareça sempre que quiser!

Efigênia Coutinho disse...

Olá jairo, aqui retorno, pois creio muito na solidariedade humana, e voc6e tem essa virtude.
Os versos feito a sua mãe, torno a dizer-lhe,são soberbos, como é gratificante a gente poder expressar os sentimentos.

Sua poesia é muito boa, e ao meu retorno ao brasil, desejo um contato com sua pessoa, para ser um Membro Efetivo de nossa Academia.
Que deixo aqui o Link para poder conhecer,
Efigênia Coutinho
Academia Virtual Sala de Poetas e Escritores.
www.avspe.eti.br/

R. Marcchi disse...

Grande Jairo,

Camarada, quanto mais leio mais quero ler.... Show de bola!! Muito bom e a composição então ficou excelente!!

Abraços,

R. Marcchi

Ianê Mello disse...

Você muito bom com as palavras.
Excelente poema.

Bjs.

Jairo Cerqueira disse...

Efigênia, Marcchi e Ianê:
Valeuuuuuuuuuuuu!!!

Andreia disse...

Gostei muito do seu texto.
Parabéns!

Se quiser, dá uma passada no meu blog. São crônicas..

ABÇ!