segunda-feira, 22 de março de 2010

Pedrada (do verbo pedrar)



Ali está ela!
Sentada sobre a pedra
Na calçada.
Descalça
Sob a pedra que a consome
Consumida diariamente
Com_pulsão.

Não restará pedra sobre pedra
Para_a_nóia desse escombro
Que um dia foi castelo.

Jairo Cerqueira

3 comentários:

Sérgio Araújo disse...

Solidão e simbiose. Paradoxo do ser humano na pós-modernidade.
Valeu, Jairo.
Abraço.

Juscelino V. Mendes disse...

Magnífico! Petrificado na delicadeza poética!...
Abraços.

Anônimo disse...

Se a pedra a consome, fala pra ela tomar cuidado senão a pedra volta e a acerta com tudo na própria cabeça. Tem pessoa q é de fato paranóica e a compulsão... vira uma vergonhosa inquietação e dá margem para que cometa injustiças!
abraços

Wendy